SITE TRIBUNA
SITE TRIBUNA

Cigarros eletrônicos e os riscos à saúde




Atualmente, são produzidos cerca de 6 trilhões de cigarros por ano, que são consumidos por quase 20% da população mundial, sendo a prevalência do público masculino, que corresponde a aproximadamente 80% dos fumantes. Na última década, mais de 50 milhões de pessoas morreram em decorrência de doenças relacionadas ao tabagismo, maior causa evitável de mortes no mundo.
Com a crescente conscientização da população em relação aos malefícios causados pelo cigarro, a indústria do tabaco procura diversificar seus produtos. Segundo a American Cancer Society, nos últimos dez anos, houve um crescimento de 59% na venda de produtos derivados do tabaco que não produzem fumaça, os chamados DEF (dispositivos eletrônicos de fumar) ou cigarros eletrônicos.

No entanto, o que parece uma solução menos danosa ao cigarro tradicional, é na verdade uma grande armadilha, pois os vapers, como também são conhecidos os cigarros eletrônicos, além da nicotina, funcionam a partir da vaporização de substâncias solventes, como a glicerina, o propilenoglicol e o glicerol. O superaquecimento desses solventes – as temperaturas podem atingir até 4000C – gera substâncias 450 vezes mais tóxicas, carcinogênicas e irritantes, do que as encontradas nos cigarros comuns.

Além disso, há uma exposição maior às substâncias contidas nos vapers, pois a duração média de uma tragada no cigarro eletrônico é significativamente maior quando comparada aos cigarros manufaturados, 4,3 segundos contra 2,4 segundos, respectivamente.

A ampla variedade de aditivos e as opções de sabores (morango, chocolate, licor), somadas à venda, principalmente pela internet, favorecem a experimentação pelos adolescentes e adultos jovens. Aromas inseridos na composição foram estudados e foram encontrados, além da baunilha e do mentol, substâncias alergênicas, como aldeído cinâmico, cumarina, eugenol, linalol, álcool benzílico e álcool anis. Em quatro das 28 amostras estudadas, foram detectadas a acetamida, um composto que é considerado como possível carcinógeno humano.

Casos de intoxicação foram observados no Reino Unido e Estados Unidos. Além dos riscos de intoxicação, houve casos de explosões, em função das altas temperaturas na recarga da bateria dos cigarros eletrônicos.

No Brasil, a RDC no 46 da Anvisa, que proíbe o comércio, a importação e a propaganda de cigarros eletrônicos ou similares. No entanto, é possível encontrar sem dificuldades, os cigarros eletrônicos em lojas físicas e online.

Face à queda das vendas de cigarros regulares, o DEF tornou-se a grande alternativa de negócio para a indústria do tabaco, mas ao contrário do que essa indústria quer nos fazer crer, os dispositivos eletrônicos não auxiliam na eliminação do tabagismo e podem ser uma porta de entrada para esse hábito – estudos apontam que o uso de cigarros eletrônicos aumenta em quase quatro vezes, o risco de passar a utilizar o cigarro tradicional.

Diga sim à sua saúde e não ao cigarro eletrônico. Ajude a combater o seu uso! Curta e compartilhe este conteúdo, essa também é uma forma de conscientizar.

Oncocenter, dedicada a você!
Postagem Anterior Próxima Postagem