SITE TRIBUNA
SITE TRIBUNA

Itacaré comemorou o Dia Nacional da Luta Antimanicomial


Para comemorar o Dia Nacional da Luta Antimanicomial, garantir a defesa dos direitos e buscar sempre um tratamento mais humanizado, mostrando que nem todos os pacientes que sofrem de transtornos mentais necessitam de internação, a Prefeitura de Itacaré, através da Secretaria de Saúde, realizou nesta quarta-feira uma série de atividades de conscientização da comunidade. O evento, realizado no Centro de Atendimento Psicossocial(CAPS) de Itacaré, reuniu pacientes, familiares, profissionais de saúde e a equipe que desenvolve esse trabalho de atendimento e acompanhamento.
Durante todo o dia foram realizadas brincadeiras, festas, oficinas, exposições de trabalhos artesanais e distribuição de panfletos informativos sobre a luta antimanicomial. A equipe da Secretaria de Saúde também fez questão de mostrar que o CAPS de Itacaré é um lugar de acolhimento, reabilitação, saúde e amor ao próximo. Atualmente o CAPS de Itacaré atende a cerca de dois mil pacientes ambulatoriais, 600 semi-ambulatoriais e 30 intensivos, que recebem todo o carinho, atenção e acompanhamento de psiquiatras, psicólogos, psicopedagogos, assistentes sociais, enfermeiros e equipe de apoio.
De acordo com a secretária de Saúde, Andréia Palafoz, as comemorações alusivas ao Dia Nacional de Luta Antimanicomial foram uma forma de lembrar a luta do movimento social que mudou a assistência mental no Brasil, defendendo um tratamento mais humanizado. Esse movimento ficou conhecido como a Reforma Psiquiátrica, onde os clientes, trabalhadores e familiares, cansados dos maus tratos e violência do tratamento, começaram a lutar pela mudança.
O prefeito de Itacaré, Antônio de Anízio, falou da importância desta data e da necessidade da luta constante por um tratamento mais humanizado. Ele explicou que esses pacientes têm o direito à liberdade, de viver em sociedade e de receber todos os cuidados e tratamentos sem que tenham que abrir mão de seu lugar de cidadão, deixando no passado as violações de direitos humanos e abusos contra pacientes que ocorreram nos hospitais psiquiátricos e manicômios.
Postagem Anterior Próxima Postagem